O tic-tac do relógio biológico feminino

Mulheres que valorizam boa alimentação e hábitos saudáveis durante toda a vida, passam pela menopausa de forma mais tranquila

Falar sobre menopausa com determinadas mulheres é tocar em um ponto fraco que pode chegar a dar arrepios! Contudo, a mulher tem que entender que a menopausa é uma transição natural e cuidar-se dês de cedo, já na adolescência, priorizando uma alimentação o mais natural possível, exercícios físicos e levar a vida com menos estresse, vai ajudar a passar pela menopausa menos ansiosa, deprimida e irritadiça e com mais esperança na vida.

A maioria das mulheres chega à menopausa entre os 45 e os 50 anos. No nascimento, os ovários da mulher já contêm todos os óvulos que ela terá pelo resto da vida. Durante cada ciclo menstrual, de 20 a 1.000 óvulos amadurecem. Daí um, ou às vezes mais de um, é liberado do ovário e ficamos disponíveis para fecundação, os demais se desintegram. Na maturação de óvulos, os níveis dos hormônios estrogênio e progesterona regularmente aumentam e diminuem. À medida que a mulher chega aos 40, os níveis de estrogênio e de progesterona começam a baixar, gradual ou irregularmente, e a liberação de óvulo talvez não mais ocorra a cada ciclo. Os períodos menstruais podem ficar menos regulares; o fluxo menstrual muda de padrão, tornando-se mais escasso ou mais abundante. Por fim nenhum óvulo é liberado e os períodos menstruais terminam. A última menstruação é o clímax de um processo de mudanças nos níveis hormonais e na função ovariana que pode ter levado uns dez anos. Contudo, quantidades menores de estrogênio continuam a ser produzidas pelos ovários por 10 a 20 anos depois da menopausa. As glândulas supra-renais e as células adiposas também produzem estrogênio. Os tecidos sensíveis à ação do estrogênio, ou que dele dependem, são afetados à medida que seu nível abaixa. Acredita-se que as ondas de calor resultem de efeitos hormonais na parte do cérebro que regula a temperatura do corpo. Não se sabe exatamente como isso funciona, mas parece que o termostato do corpo é ajustado para baixo, de modo que as temperaturas antes consideradas confortáveis de repente se tornam quentes demais, e o corpo passa a produzir calor e a transpirar para se esfriar. Nesse período da vida da mulher, os tecidos vaginais ficam menos espessos e menos úmidos, com a diminuição dos níveis de estrogênio. Outros sintomas que as mulheres sentem, podem incluir suores noturnos, insônia, incontinência, súbito inchaço na região abdominal, palpitações, choro sem razão evidente, explosões de temperamento, enxaquecas, comichões, formigamentos lapsos de memória.

A menopausa não é o fim da vida produtiva da mulher — é apenas o fim de sua vida reprodutiva. Depois de seu último período menstrual, seu estado de espírito em geral é mais estável. Embora se esteja focalizado o fim da menstruação por ser uma mudança óbvia, esta é apenas uma manifestação do processo de transição em que a mulher deixa a fase reprodutiva de sua vida. A puberdade, a gravidez e o parto também são fases de transição acompanhadas de mudanças hormonais, físicas e emocionais. A menopausa, portanto, é a última, mas não a única, fase de mudanças por indução hormonal na vida de uma mulher. Assim, a menopausa é um estágio na vida. Animadoramente o fim da fertilidade da mulher é tão natural e inevitável como foi o seu começo preordenado. Chegar à menopausa é realmente um indicativo de boa saúde — um sinal de que o relógio interno do organismo está funcionando bem.

Menopausa significa entrar numa nova fase da vida, idealmente com desprendimento e amadurecimento interior. Um amoroso encaixar-se nos ciclos naturais da vida. Este momento é oportuno para a mulher exercitar sua habilidade de adaptação. Quanto mais rápido ela assimilar, diante desta oportunidade inevitável e inadiável do seu amadurecimento orgânico e psico-emocional, mais esta transformação fisiológica será natural e descomplicada.

Mulheres apegadas ao passado, frustradas quanto a sua sexualidade, maternidade ou significância profissional são as mais vulneráveis a uma menopausa traumática.
São muito vulneráveis também aquelas que têm dificuldade de lidar com o estresse da vida moderna, as que desconhecem os alimentos que exacerbam os problemas femininos e as que não praticam uma atividade física regularmente।


Afinal, a informação e a conscientização favorecem a prática e compreensão de que amadurecer faz parte do adaptar-se aos mágicos ciclos da vida: sem sofrer ou machucar-se! A única certeza mulheres é que se ainda não chegamos à menopausa, ainda vamos ter que passar।


Cuidar da alimentação durante todas as etapas da vida é muito importante। Dar prioridade sempre a alimentos integrais e naturais. Por serem integrais, são inteiros. Ou seja, contêm todos os nutrientes e fibras característicos de sua natureza. As fibras são essenciais na alimentação, pois têm um papel importante na limpeza do organismo, especialmente do intestino. Elas funcionam como “vassourinhas”, ajudando na eliminação de toxinas. A Giroil fornece vários produtos nessa linha: óleo extra virgem de linhaça, girassol e canola; girassol descascado e com casca; linhaça dourada e também farinha de linhaça desengordurada.


वेरा

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como preparar sementes de chia

CHIA – O Super Alimento

REFLUXO GÁSTRICO, AZIA E SEMENTES DE CHIA