quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Veja como fazer macarrão de sobá - Trigo sarraceno

Prato típico da culinária japonesa é preparado como arte a base de trigo sarraceno




Soba ou sobá é um tipo de macarrão japonês tradicionalmente degustado na passagem do ano. Na véspera do ano novo japonês, as famílias se reúnem para comer a iguaria feita de macarrão de trigo sarraceno, que não contém glúten, também chamado de toshikoshi-sobá — literalmente, macarrão da passagem de ano.

O trigo sarraceno contém proteínas, carboidratos, fibras solúveis, vitaminas do complexo B e minerais como manganês, magnésio e fósforo. Além disso, possui flavonoides (antioxidantes), principalmente a rutina. A presença de fibras e de antioxidantes faz com que o trigo sarraceno auxilie na prevenção de doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade.

Sobá é vida

 "A união da farinha e da água em um fio delicado, fino e longo é como a nossa vida". Mestre Koichi Mori  
Não à toa, é prato obrigatório nas ceias de Ano Novo, como forma de desejar longevidade e saúde aos convidados.  

Sinônimo de macarrão para muitos, na verdade, sobá é toda massa feita com farinha de trigo sarraceno. Por isso não estranhe se encontrar bolinhos de sobá, por exemplo. A forma mais comum de degustar a massa é pura, quente ou fria, mergulhada em caldos leves, que podem ir da clássica mistura de sake e shoyo ao de peixe ou carne. Dependendo do acompanhamento, o prato ganhará diferentes nomes para o diferenciar, mas o sobá continuará sendo a estrela da refeição. 

Para preparar o macarrão de sobá você vai precisar de: 

Ingredientes:

- 800 g de trigo sarraceno 

- 200 g de farinha de trigo 

- 500 g de água quente 

Peneire as farinhas em uma tigela e aos poucos vá acrescentando a água. Sovar muito bem.Faça uma bola e começa a abrir com ajuda de um rolo. Cortar em tiras finas. Cozinhar em água fervente por aproximadamente 1 minuto.

Para o molho:
  • 700g de alcatra, patinho, mignon (carne de sua preferência) cortada em tiras médias
  • 1 xícara de molho shoyu
  • 5 ovos
  • 1colher de manteiga
  • Gengibre (picadinho)
  • Cebolinha picada
  • 1 colher de óleo
Refogar a carne com uma colher de óleo. Depois de refogada, acrescentar 1 litro de água e 1 xícara de shoyu. Depois de refogada, acrescentar 1 litro de água e 1 xícara de shoyu. Faça ovos mexidos (fritos com manteiga). Agora é só fazer camadas com os ingredientes, por ultimo a cebolinha e o gengibre.





quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Gabriela Pugliesi Fitness - TEFF


Nossa musa fitness Gabriela Pugliesi dando a dica do dia: TEFF
E nos como ficamos? Encantados.
A Gabi além de malhar muito, presa muito por uma alimentação equilibrada e sabe muito bem valorizar alimentos que ajudam a dar energia e manter um corpo definido.
O Teff caiu certinho nessa dieta fitness e equilibrada, composto por fibras, proteínas, aminoácidos essenciais e carboidrato de absorção lenda, ótima para dar saciedade e manter o pique em exercícios de alta intensidade. Excelente também para recuperar cansaço mental, por ser rico em ferro, cálcio, magnésio, cobre, potássio, manganês, zinco e vitamina C. Ainda é sem glúten! Quem aguenta tanta coisa boa junta?!

TEFF é rico em fibras e tem um efeito saciante


Um dado curioso sobre este cereal é haver cada vez mais rostos famosos que começaram a consumir este ingrediente devido aos seus benefícios para a saúde. Exactamente, directamente da dispensa da casa de Victoria Beckham para a nossa cozinha. Tudo porque o teff é um alimento que não devia faltar na sua cozinha, pois tem um alto conteúdo em fibras. Para além disso, é um alimento que também pode ser consumido por pessoas que padecem da doença celíaca.
O teff é também muito recomendável para quem está a fazer dieta, uma vez que não engorda. E como é um alimento com um efeito saciante, ajuda a controlar o apetite e a evitar que se coma fora das refeições.

TEFF bom para os diabéticos


Para além de tudo o que já referimos, este cereal também ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue, pelo que se recomenda o seu consumo a pessoas que sofrem de diabetes do tipo II.

TEFF tem cálcio e ferro 


Outros benefícios do teff são ajudar a melhorar a função intestinal e ser um alimento rico em nutrientes essenciais. Também reforça o sistema imunitário por ser uma importante fonte de minerais como o cálcio e o ferro.
Dado que tem grandes quantidades de hidratos de carbono também é uma importante fonte de energia para o nosso corpo. É ainda um ingrediente bastante recomendável para os vegetarianos, já que contém aminoácidos que não devem nunca faltar na nossa dieta diária.

TEFF faz bem ao cérebro



E como se tudo isto ainda não fosse ainda suficiente, o teff é também um cereal excelente para o cérebro, pois, dado que tem muito ferro na sua composição, estimula os glóbulos vermelhos e melhora o nosso rendimento intelectual.
TEFF você encontra em lojas de produtos naturais de todo o Brasil.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Teff no Brasil - Giroil

Rico em ferro, grão teff é o novo queridinho da alimentação saudável





Quando a corredora de Boston Laura Ingalls descobriu, depois de um exame de sangue de rotina, que tinha deficiência de ferro, foi para a cozinha ao invés de vasculhar a gaveta de remédios. E começou a comer teff. Grão vindo da Etiópia, com o tamanho de uma semente de papoula, o teff tem quantidades naturalmente altas de minerais e proteínas. Laura começou a cozinhar com ele e agora não participa de nenhuma corrida sem ingeri-lo antes.
“É um superalimento para os corredores. Funciona muito bem como uma refeição para antes da corrida e é um grão integral, então libera energia de maneira lenta, exatamente o que eu preciso”, afirma ela.
Algumas pesquisas comprovam suas afirmações. Um estudo conduzido por cientistas da Universidade Metropolitana Manchester, na Inglaterra, descobriu que corredoras com níveis baixos de ferro a quem foi pedido que consumissem pão feito com teff todos os dias durante seis semanas melhoraram seus índices desse mineral.
A principal autora do estudo, doutora Ieva Alaunyte, nutricionista e ex-corredora que participava de competições, conta que conduziu o estudo porque deficiências de ferro são especialmente comuns entre corredoras e atletas de resistência, e o teff pareceu uma boa solução alimentar. "Se a pessoa quiser aumentar seu nível de ferro por meio da dieta, eu sugeriria a ingestão de teff", afirma.
O que dizem os nutricionistas

O interesse cada vez maior no teff é parte de um desejo crescente do consumidor por chamados grãos ancestrais, como farro, quinoa, espelta, amaranto e painço. O teff tem sido usado comercialmente em alimentos como massas, barras de proteína e misturas para panquecas.
Além de rico em ferro, tem muita proteína, e grande parte de sua fibra é de um tipo conhecido como um amido resistente, que em estudos foi relacionada a benefícios à saúde como melhoria dos níveis de açúcar no sangue. Ele também tem mais cálcio e vitamina C do que quase qualquer outro grão e tem muita quantidade de minerais, o que atrai os atletas que fazem esportes de resistência.
Os nutricionistas recomendam o teff como uma maneira de os americanos colocarem mais grãos integrais em suas rotinas alimentares, e as pessoas que possuem intolerância ao glúten usam teff como uma alternativa ao trigo. Um estudo feito entre 1.800 pacientes com doença celíaca descobriu que quem comia teff regularmente havia relatado uma redução significativa dos sintomas.
Julie Lanford, nutricionista que dá aulas de nutrição para sobreviventes de câncer na Carolina do Norte, diz que ela frequentemente recomenda teff porque a maioria dos americanos consome o trigo como seu único grão integral. No entanto, cada planta tem uma mistura única de nutrientes, e alimentando-se com grãos diferentes, “você consegue uma variedade maior deles”, explica. Em casa, Julie usa teff como substituto em cremes de milho e em uma versão de creme de trigo. Ela também cozinha mingaus de teff com tâmaras e mel para o café da manhã. “Meu filho de cinco anos adora”, conta. 
Apreensão de produtores

Mas à medida que o teff conquista as cozinhas dos americanos, fazendeiros que vivem a um mundo de distância, na África Oriental, estão vendo a tendência com reservas.
O teff, que foi plantado primeiro na Etiópia há cerca de três mil anos, é o grão mais plantado no país. Ele é responsável por quase 15 por cento de todas as calorias consumidas pela população – grande parte na forma de injera, uma torta ou pão sírio esponjoso, servido com quase todas as refeições. Mais de 90 por cento do teff do mundo cresce na Etiópia.
Mas a maior parte do teff consumido na América do Norte, na Europa e em outras partes do mundo é plantado em lugares como o estado americano de Idaho, Holanda, Austrália e Índia. Isso acontece porque, em uma tentativa de manter o teff acessível no país, o governo da Etiópia praticamente proíbe seus fazendeiros de exportá-lo. O governo impôs proibições de exportação, em parte, por causa do que aconteceu com a quinoa, outro grão ancestral que ganhou status internacional de “superalimento” cerca de 15 anos atrás.
A quinoa é um grão usado como alimento básico em países como Bolívia e Peru há séculos. Mas à medida que o apetite internacional por ele cresceu, houve relatos de que havia se tornado muito caro para boa parte dos latino-americanos, incluindo aqueles que dependiam da quinoa como parte de sua dieta tradicional.
Khalid Bomba, executivo chefe da Agência de Transformação da Agricultura da Etiópia, que supervisiona a produção de teff no país, diz que o país está tentando proteger o suprimento doméstico enquanto o interesse internacional cresce. "Não queremos chegar a uma situação parecida com a da América Latina que começou a exportar quinoa e, de repente, a população local não podia mais pagar pelos grãos", explica.
Cerca de cinco anos atrás, a agência de agricultura lançou um projeto para ajudar milhões de fazendeiros etíopes a aumentar sua produção de teff, e recentemente o governo começou um programa piloto que permite que um pequeno número de fazendeiros comerciais exportem teff para os Estados Unidos e outros países.
Mas o governo da Etiópia está permitindo as exportações apenas de produtos feitos com teff, como farinha e injera, não do grão em si, para impedir que os empregos criados com esse tipo de manufatura deixem o país. "Queremos criar empregos aqui e não exportar teff em grão para que os europeus e os americanos transformem em farinha e criem um mercado de valor mais alto. Preferimos fazer a maior quantidade possível da manufatura aqui na Etiópia", diz ele.
O governo da Etiópia espera transformar o teff em marca protegida, como fez com outro de seus produtos premium, o café, que também teve origem ali. O país planta e exporta uma variedade de grãos de cafés de marca registrada, cada um com sabor e aparência distintos – como o teff, que pode ser preto, marrom ou marfim, e que variam de gosto do amargo a ligeiramente doce.

Um pequeno grupo de startups de alimentos, como a Love Grain, de San Francisco, está tentando incorporar o teff aos alimentos diários dos americanos, como misturas de panquecas sem glúten e tortilhas. "Há muito espaço para ser criativo usando o teff porque é um grão muito versátil", explica Aleem Ahmed, fundador da empresa.

Fonte:  Anahad O’connor

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Cookies do Amor do Leo - Farinha de Teff


Marcia é cozinheira de mão cheia,  seu foco é direcionado a pratos bem mais fitness, preparados com amor e alegria, agrada as famosas como Gabriela Pugliesi, onde já foi fazer vários "kitutes" do bem.
Por Marcia Helena Ramos:
Esta receita estava prometida há um certo tempo, mas queria chegar na melhor versão para poder compartilhar!!!
Bem, vamos aos “Cookies do amor Leo”, sim, fiz especial para meu filhote que provou, aprovou e pediu mais…
🍪 Ingredientes:
100g manteiga ghee
30g óleo de coco
70g açúcar demerara pulverizado
50 g araruta
100g gotas de chocolate
20g farinha de linhaça
20g farinha de coco
70g farinha de aveia
70g farinha de grão de bico
50g farinha de teff @giroil*
4 g de bicarbonato de sódio
1 pitada generosa de sal
água ou água de coco (opcional)
15g cacau (se quiser fazer a massa de chocolate) 🍪 Misture todos os ingredientes e vá acrescentando a água ou água de coco em colheradas (uma a uma) até dar ponto de soltar das mãos. Embale ou coloque num pote fechado e leve para a geladeira por pelo menos 30min. Após este tempo, modele seus cookies e leve pra assar em forno preaquecido a 200º até que fiquem dourados na parte de baixo, cerca de 35 min (no meu forno). O rendimento varia conforme o tamanho que vc decidir para seus cookies. Você pode incrementar seu cookies com frutas secas, aveia em flocos grossos, sementes.

Agora queria falar um pouquinho sobre a farinha de teff. Fiquei bem encantada com ela que agora é produzida no Brasil pela @giroil lá no Rio Grande do Sul. Conversei com minha nutri @liviahasegawa sobre este grão incrível… É um grão originário da Etiópia, com variedade de cores do branco, vermelho e marrom. Possui quantidades significativas de minerais, aminoácidos essenciais e antioxidantes e também é naturalmente livre de glúten, é rico em cálcio, em fibras, em proteínas, seus carbos são complexos (uhuuuu!!!), rico em fósforo e magnésio… Bem, acrescente ele em sua alimentação diária. Com meus novos treinos para corrida o teff não sai mais da minha alimentação… Obrigada Vera por me enviar esta farinha incrível e parabéns pelo esforço de vocês na produção nacional deste grão!!! Orgulho de gente como vocês, que fazem!!! Ah! E o sabor dela é uma delícia, levemente amendoado, amei!!! 

Siga as receitas de Marcia: 

@marciahramos



terça-feira, 1 de novembro de 2016

Farinha de TEFF - Injera, o pão etíope!


Injera é um prato típico da culinária da Etiópia. As injeras são grandes crepes feitos com farinha de TEFF fermentada em água durante 2-3 dias e depois assados numa chapa de ferro ou numa placa de barro, que se colocam sobre um fogão; devido à fermentação, as injeras são húmidas e fofas e são colocadas sobre um prato onde se serve o wot ou outra comida da culinária da Etiópia. A forma de comer é também especial: o prato pode ser individual ou servir várias pessoas, que vão tirando pedaços da injera e, com esse pedaço, agarram uma porção de comida para a levarem à boca.

Isento de glúten, o que contribui para a dieta de pessoas celíacas e outras que preferem optar por produtos mais naturais, possui elevadas quantidades de minerais como cálcio, fósforo e magnésio. Esse grão ainda regula a absorção de glicose pelo organismo, o que ajuda a controlar o apetite, graças à presença do amido resistente em cerca de 40% da sua composição - a maior resistência do organismo em digerir essa substância, na região do intestino grosso, estimula a proliferação de bactérias benéficas para o cólon. Em geral, é um alimento que colabora na redução de peso.







segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Receitas com TEFF

Teff mingau


Grãos 1 xícara teff
4 xícaras de água
1 colher de sopa de manteiga (opcional)
1 colher de sopa de canela (opcional)
punhado de mirtilos ou a sua fruta favorita (opcional)

Combine teff e água em uma panela média. Deixe ferver, reduza o fogo, tampe e deixe ferver até que a água é absorvida (cerca de 20 min), mexendo ocasionalmente. Misture a manteiga ea canela e cubra com bagas. Para aquecer, adicione um pouco de água e mexa bem, quebrando pedaços, antes de microondas. Rendimento: 4 porções.

Poderá misturar com várias frutas secas.

Benefícios do XILITOL - Xylitol Giroil



CONHEÇA OS BENEFÍCIOS DO XILITOL
  Excelente sabor, versatilidade e doçura equivalente;
  Baixo teor calórico e baixo índice glicêmico;
  Efeito mínimo sobre o açúcar no sangue e os níveis de insulina;
 Lenta liberação, fonte constante de energia;
  Anticetogênico: reduz os níveis séricos de ácidos graxos livres e melhora a utilização de glicose periférica;
  Aumenta a absorção de vitaminas do complexo B e cálcio;
  Inibe a levedura, incluindo Candida albicans;
  Diminui a glicação de proteínas, reduz AGEs;
 Reduz a compulsão por carboidratos e compulsão alimentar;
  Anticatabólico: auxilia na manutenção da massa muscular;
  Antioxidante: gera o NADPH, mantendo glutationa num estado ativo;
  Reduz os danos dos radicais livres e da oxidação;