quarta-feira, 27 de julho de 2011

Pão com sementes de Chia










Colocar 3 colheres de semente de Chia para hidratar na água(gel Chia).











Fazer massa de pão normal e acrescentar o gel Chia.











Assar normalmente.

Sementes de Chia pode oferecer omega-3 do coração e os benefícios do fígado: Estudo

Por Nathan Gray, 26-Jul-2011

Consumo de sementes de chia como uma fonte de ácido alfa-linolênico (ALA) pode trazer redistribuição associados com o coração ea proteção do fígado, de acordo com uma nova pesquisa em ratos.

O estudo, publicado no The Journal of Nutritional Biochemistry, relata que ratos alimentados com chia suplementos sementes foram protegidas contra problemas de coração e fígado associado a uma dieta rica em gordura, incluindo sensibilidade à insulina e da tolerância à glicose, redução da adiposidade visceral, diminuição da gordura no fígado, e cardíaco e menor h epa tic inflamação e fibrose.

A pesquisa, da Universidade de Queensland, na Austrália, revelou que as sementes trazidas chia redistribuição lipídica em ratos, com lipídios traficadas longe da gordura visceral e do fígado.

"Relatamos um intrincado padrão de distribuição de ácidos graxos em vários tecidos de ratos alimentados com uma semente de chia suplementado dieta que provavelmente levaria a uma condição melhor de lipídios homeostático", disseram os pesquisadores, liderados por Lindsay Brown, professor associado da Universidade de Queensland.

"Para o melhor de nosso conhecimento, este é o primeiro relatório de redistribuição de lipídios com uma dieta rica fonte de qualquer omega-3 ácidos graxos associados com cardio-proteção e hepato-proteção ", acrescentaram eles.

ALA benefícios

Ácido alfa-linolênico (ALA) ômega-3 é um ácido graxo essencial que o corpo não pode fazer, e, portanto, devem ser consumidos na dieta. Boas fontes de ALA incluem: sementes de chia, linhaça, soja, nozes e azeite de oliva.

O Instituto de Medicina dos EUA recomenda uma ingestão de 1,6 gramas ALA por dia para homens e 1,1 gramas por dia para as mulheres.

"Na dieta humana, ALA, o ômega-3 ácidos graxos essenciais, normalmente é derivado de fontes vegetais, como semente de linho, enquanto EPA e DHA são ingeridos de peixe, suplementos de óleo de peixe e outros produtos do mar ", disseram os pesquisadores.

Os benefícios de saúde associados ao consumo de ALA incluem efeitos cardiovasculares, neuro-proteção, um contador para a resposta inflamatória, e os benefícios contra doenças auto-imunes. No entanto, o ácido de cadeia mais longa eicosapentaenóico (EPA) e docosahexaenóico (DHA) receberam mais de estudo de cientistas e mais atenção dos consumidores.

Brown e seus colegas observaram que sementes de chia são os "mais rica fonte botânica da ALA", contendo cerca de 60 por cento ALA.

Detalhes do estudo

A nova pesquisa investigou as alterações metabólicas, cardíacas e fígado após 5 por cento de suplementação de semente chia em carboidratos, alto teor de gordura dieta alimentar ratos com baixos estado ácido graxo ômega-3.

Ratos alimentados com a dieta rica em gordura foram encontrados para desenvolver hipertensão, glicose e de tolerância à insulina, dislipidemia, fígado gordo, fibrose cardíaca e deterioração funcional, inflamação e obesidade abdominal.

"Com exceção da pressão arterial elevada e alguns marcadores plasmáticos de função hepática, dieta semente chia suplementação atenuada mudanças estruturais e funcionais causadas por alimentação rica em gordura", disseram os autores.

"Chia a suplementação de lipídios de sementes causado redistribuição de distância da cavidade abdominal ... e aumentou omega-3: ômega-6 relação em vários tecidos", acrescentaram.

Os ratos suplementados melhor tolerância à insulina e glicose, redução da adiposidade visceral, diminuição da esteatose hepática (fígado gordo), redução da fibrose cardíaca e hepática e inflamação sem alterações nos lipídios do plasma ou pressão arterial.

"Assim, sementes de chia como fonte de ALA induzir a redistribuição de lipídios associado com cardio-proteção e hepato-proteção", disse Brown e seus colegas.

Eles acrescentaram que os resultados da pesquisa justificam mais pesquisas sobre o uso de sementes chia como uma terapia complementar para tratar alguns sinais de síndrome metabólica.

Fonte: The Journal of Nutritional Biochemistry
Publicado em linha antes da impressão, doi: 10.1016/j.jnutbio.2010.11.011
"Redistribuição Lipid por α-linolênico ricos semente chia inibe estearoil-CoA desaturase-1 e induz a proteção cardíaca e hepática induzida pela dieta em ratos obesos"
Autores: H. Poudyal, SK Panchal, J. Waanders, L. Ward, L. Brown

OBS.: A tradução foi automática.

Para comprar sementes de Chia:
http://www.todotempo.com.br/produto-1367-sementes_de_chia_250g_giroil

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Amaranto grãos - Comida viva










O grão tem propriedades que se assemelham ao arroz com feijão.


O amaranto é um cereal rico em proteínas de alto valor biológico, minerais como cálcio, fósforo, potássio, vitaminas e aminoácidos essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo.

Seus muitos benefícios se estendem aos mais diferentes perfis e necessidades específicas:

O alto valor protéico – de 14 a 20% a mais, quando comparado a outros cereais - e de minerais atuam na manutenção e no aumento da massa magra em atletas e esportistas amadores, além de contribuir para a diminuição do colesterol e a prevenção de doenças cardiovasculares, osteoporose e câncer na população de idosos e adultos em geral.

Rico em cálcio, o amaranto pode ser utilizado como substituto do leite animal, sendo indicado para crianças e pessoas com intolerância à lactose. O alimento também funciona como uma ótima opção de variação nutritiva no cardápio dos celíacos, além de atuar no controle da glicemia em diabéticos, graças à alta concentração de fibras alimentares – maior do que as encontradas na aveia, milho e trigo.

Uma característica singular do amaranto é a grande concentração de esqualeno em sua composição, substância somen te encontrada em quantidades significativas nos óleos de fígado de animais marinhos. Suas propriedades naturais incluem a ação antioxidante, no combate aos radicais livres, aumento da oxigenação do metabolismo e proteção da membrana celular – sistema imunológico.

Há mais de 60 espécies de amaranto. Um deles já é estudado por pesquisadores da Unicamp há mais de oito anos. E os estudos já descobriram que na composição química, o amaranto se assemelha a uma combinação muito conhecida pelo o brasileiro... O arroz com feijão.

É isso mesmo: do feijão. Ele tem a proteína, na concentração de 14% (no feijão é 23%). Do arroz, ele tem os aminoácidos. Moléculas orgânicas que não são fabricados pelo nosso organismo e essenciais para o nosso corpo.

As pesquisas revelaram ainda que o amaranto é um alimento funcional. Os pesquisadores usaram os grãos na dieta de voluntários que apresentam, pelo menos, três fatores de risco à saúde. Todos tinham elevação da pressão arterial, colesterol e resistência à insulina. Eles passaram a consumir 30 gramas do grão por dia. No fim de um mês, todos apresentaram redução nos índices medidos e também apresentaram melhora no funcionamento do intestino.

RECEITAS COM AMARANTO

AMARANTO COZIDO
1 porção de amaranto para 2 de água, 1 pitada de sal.
cozinhe em fogo baixo por 12 minutos.

SALADA COM AMARANTO
Colocar o amaranto cozido, juntar alface, tomate cereja, cenoura ralada, e temperar com manjericão, sal, suco de limão e sal a gosto.

SOPA DE AMARANTO
1 copo de amaranto, 1 cebola, 1 cenour a, chuchu, mandioquinha, sal, 1 colher
de orégano e pimenta a gosto.

Refogar a cebola até caramelizar, colocar os legumes em pedaços, adiciona água ou caldo de legumes,
adicionar amaranto e deixar cozinhar ate os legumes ficarem macios. Adiciona o orégano, sal e pimenta a gosto.
SUCO ENRIQUECIDO COM AMARANTO
- suco de 1 laranja
- 1 ½ mamão papaia
- 1 colher (sopa) de farinha de amaranto
- gelo
Bata todos os ingredientes no liquidificador e tome em seguida. Esse suco é excelente para ser tomado no café da manhã. Dá saciedade, a lém de estimular o funcionamento do intestino.

Grãos de amaranto germinado

Na alimentação viva o amaranto pode ser consumido depois de germinado, servindo de acompa nhamento para saladas ou para enriquecer cremes ou molhos.





segunda-feira, 18 de julho de 2011

Como preparar sementes de chia


Sandra Guimarães
Faz muito tempo que quero falar sobre sementes de chia aqui, mas não conseguia me decidir se era uma boa ou má idéia. Muita gente acha que comida vegana é diferente, exótica, cara e difícil de encontrar (o que chamo de “comida esotérica”) e falar desse alimento que pouca gente conhece só reforçaria esse mito. Mas, por outro lado, eu gosto de mostrar a imensa variedade de produtos que a natureza nos oferece, o que ajuda a acabar com um outro mito, o de que veganos não podem comer nada. Antes de começar a falar desse super alimento, que está na moda em alguns países do hemisfério norte, gostaria de avisar que feijão com arroz também é vegano e que ninguém precisa de comida esotérica pra adotar uma dieta 100% vegetal.
Chia é uma planta (seu nome botânico é salvia hispanica) cultivada há muitos séculos no sul do México. Os Maias e os Astecas eram grandes apreciadores das sementes de chia, que além de ocupar uma parte importante de sua alimentação (parece que depois do milho e do feijão, era o vegetal mais consumido), também era usado como moeda. Elas ficaram confinadas lá no México, onde nunca deixaram de ser cultivadas, até o pessoal natureba descobrir, alguns anos atrás, que semente de chia é um dos alimentos mais completos, nutritivos e funcionais que existe. Além de extremamente ricas em fibras, elas são uma proteína completa, têm o dobro de potássio que a banana, três vezes mais antioxidantes que mirtilo (blueberry), seis vezes mais cálcio que leite e oito vezes mais ômegra 3 que salmão.

As sementes são minúsculas, menores que um grão de arroz...

...e muito menores que um feijão.
A chia, assim como a linhaça, é uma semente mucilaginosa, ou seja, em contato com líquidos se transforma em gel (graças ao grande teor em fibras), o que diminui a velocidade em que o organismo assimila os açúcares (carboidrato também é açúcar). As sementes absorvem 12 vezes seu peso em água, hidratando o corpo e protegendo a mucosa do intestino. Como se isso tudo não fosse suficiente, chia é facílima de ser digerida e tem poucas calorias. Dizem que os guerreiros astecas podiam correr durante 24 horas depois de ter ingerido apenas 1cs de chia. Não sei se acredito nisso, mas um dia Anne colocou 1cs de chia no seu pratinho de papa de aveia às sete da manhã, trabalhou (andando e correndo) durante horas e só foi sentir fome depois das três da tarde. Mas se alguém fizer o teste da maratona, por favor divida os resultados comigo.
Vocês devem estar se perguntando “Onde comprar essa maravilha da natureza?”. Agora vem a parte cruel da história: na Europa e na América do Norte é possível encontrar chia em quase todas as lojas de produtos orgânicos/naturais, mas não sei se ela é vendida no Brasil. Mas se até aqui nesse fim de mundo onde moro eu encontro chia, acho que não vai demorar muito pras essas sementes aparecerem no mercado brasileiro, como aconteceu com a quinoa. Pergunte na loja de produtos naturais que você frequenta se eles conhecem chia. Se várias pessoas perguntarem, acredito que eles irão se informar e começarão a vender. Ela é produzida no México e na Argentina e se daria muitíssimo bem no solo brasileiro (precisa de pouca água e é super resistente às pragas).
Pros felizardos que encontram chia perto de casa, a questão agora é “Como prepará-la?”. Nada mais simples! Chia pode ser consumida crua, de várias maneiras. Ela também pode substituir ovos em bolos e pães, exatamente como a linhaça, mas como custa uma pequena fortuna prefiro consumí-la crua, pra aproveitar ao máximo os nutrientes. Aqui onde moro pago o equivalente a 20 reais por um pacote de meio quilo. Sei que parece muito, mas ele rende três meses, pois só uso 1cs por vez (1cs oferece todo o ômega 3 que precisamos em um dia) e não como todos os dias. A receita de base é: misture 1cs de chia com 1/2x de água e deixe hidratar meia hora, mexendo de vez em quando. No final desse tempo um gel terá se formado, como na foto abaixo.
Você também pode preparar uma quantidade maior e deixar na geladeira. O gel de chia se conserva alguns dias, sem perder os nutritentes. Em seguida esse gel pode ser consumido de várias maneiras. Chia não tem absolutamente gosto nenhum e tem uma textura idêntica à sementes de tomate. Por ter sabor neutro pode ser misturada com outros alimentos sem alterar o gosto original. Você pode juntar o gel à papa de aveia (depois de pronta) ou vitaminas de frutas, por exemplo. Fica ótimo também com iogurte de soja, como na foto (1/2x de gel misturado com um iogurte).
Você também pode usar outros líquidos pra hidratar a chia. Eu adoro usar leite de amêndoas, por exemplo.
Depois de hidratada, uso a mistura de chia/leite de amêndoas de várias maneiras. A mais simples é misturar com frutas frescas amassadas ou em pedaços: peras em cubinhos, maçã ralada, pêssegos em pedaços, banana amassada (como na foto abaixo) …
Se a textura das sementinhas te desagradar (tem quem ache viscoso demais, mas eu não me incomodo de maneira alguma), triture o gel com as frutas no liquidificador. Nessa foto bati a mistura chia/leite de amêndoas com morangos. Delícia! Mil vezes melhor que os iogurtes cheios de açúcar e produtos químicos que me faziam salivar antigamente.
Uma idéia de lanche ou sobremesa super nutritiva e deliciosa é fazer um pudim de chia. Preparo o gel de chia com leite de amêndoas (a proporção é a mesma: 1cs de chia pra 1/2x de leite de amêndoas) e depois trituro com 1 banana congelada (em rodelas) e 1 ou 2cc de cacau em pó. Se eu tiver com vontade de um pudim mais docinho, coloco 1/3 de tâmara também (sou muito, muito sensível ao doce). Fica sublime!
Se você tiver a sorte de encontrar sementes de chia, aproveite. Esse alimento funcional é uma verdadeira mina de saúde. Mas quem mora no Brasil não deve ficar triste. A linhaça, embora um pouco mais fraquinha quando comparada à chia, continua sendo uma excelente fonte de fibra e ômega 3 (mais do que peixe, sim, sim!). E quem sair por aí dizendo que vegano só come alimentos caros e difíceis de encontrar leva cascudo.
Para comprar sementes de Chia:
Para comprar sementes de Chia: veralpdv@hotmail.com

sábado, 16 de julho de 2011

Revista Saúde - Amaranto anticolesterol















A semente merece muito mais do que 15 minutos de fama, já que é capaz de derrubar a gordura que entope as artérias. Foi o que comprovou um estudo brasileiro

por Caroline Randmer foto Dercílio

O grão símbolo da culinária dos incas, povo pré-colombiano que habitava o Peru, agora é a mais nova opção para quem quer afastar o perigo da aterosclerose sem perder o prazer à mesa. Trata-se do amaranto, uma semente conhecida como feijão dos Andes e que é uma verdadeira aliada no combate às altas taxas do LDL, o colesterol ruim, aquele que financia as temidas placas de gordura responsáveis por entupir as artérias.

A boa notícia vem da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp, no interior de São Paulo. Ali os pesquisadores convidaram 18 indivíduos com a famigerada síndrome metabólica, um emaranhado de doenças como pressão alta, ventre avantajado e, claro, colesterol nas alturas. Eles foram orientados a consumir durante um mês inteiro até 30 gramas de farinha de amaranto por dia, algo em torno de uma colher de sopa, na forma de biscoito.

Depois desse tempo, os níveis de LDL despencaram. "Essa diminuição se dá por uma soma de funções. Proteínas, óleo e fibras encontrados no amaranto atuam em conjunto nesse processo", explica Jaime Amaya-Farfan, que capitaneou o trabalho e é coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação da Unicamp. A técnica de laboratório Rosana Aparecida, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, dá mais pistas que esclarecem como a ingestão do amaranto auxilia no controle dos índices da molécula gordurosa no sangue. "O grão inibe no fígado uma enzima envolvida na produção do colesterol ruim", diz Rosana. Essa ação, no entanto, ocorre sem prejudicar a versão boa do colesterol, que atende pela sigla HDL. "O amaranto contém esqualeno, uma substância antioxidante que é rara em produtos de origem vegetal", conta Amaya-Farfan. "Ela é a principal responsável pela interrupção da síntese de LDL, moderando a produção de colesterol", complementa.

Mas o grão não recebe a denominação de superalimento só por essa benesse. Rico em aminoácidos que o nosso corpo não é capaz de fabricar e outros nutrientes, como cálcio, ferro, fósforo, potássio e zinco, ele pode ser comparado a estrelas da cozinha, a exemplo da carne, do leite e dos ovos. "Mas vale lembrar que não é recomendável substituir esses alimentos pelo amaranto. Ele deve, isso sim, agregar benefícios ao cardápio", explica a nutricionista Beatriz Botéquio, da Equilibrium Consultoria, em São Paulo. "A semente ainda fortalece o sistema imunológico, melhora a pressão arterial, controla o diabete e inibe a proliferação de células tumorais", completa Isolda Prado, nutróloga e professora da Universidade do Estado do Amazonas. Ela também é recomendada para pessoas com intolerância ao glúten, por não conter em sua composição nenhuma substância capaz de prejudicá-las. Com tantos atributos, esse grão andino merece figurar com destaque nos pratos verde-amarelos.

O grão na cozinha

Em sopas e molhos
As sementes podem ser batidas com o caldo ou adicionadas à sopa no fogo. Na variante flocos, elas são uma ótima pedida para dar uma textura crocante a esse tipo de prato.

Em sucos e vitaminas
Como não tem gosto, ele não compromete o sabor de sucos e vitaminas. As frutas podem ser batidas no liquidificador junto com os grãos moídos, que antes devem ser lavados, sobretudo quando adquiridos em lojas de produtos naturais.

Em outras receitas
Esse andino de nascença pode entrar em bolos, pães, tortas, massas... Substitua até 30% da farinha de trigo pela farinha de amaranto. Basta torrar os grãos e moê-los ou bater os flocos.

Fonte: http://saude.abril.com.br/edicoes/0338/nutricao/amaranto-anticolesterol-631176.shtml

Mudança de Hábito e Estilo de Vida









Alimentação


Dentre as várias dificuldades de nosso dia a dia, perder peso e fazer atividade física são sempre um grande desafio. Perder peso é um processo que envolve vontade férrea, disciplina e mudança de certos hábitos. Estes fatores contribuem muito para o sucesso na manutenção de um peso saudável. É bom que um médico o acompanhe a fim de que você não entre em nenhuma dieta exótica.

Sempre que se fala em perder peso temos que falar em reeducação alimentar. A recuperação do peso é comum em pacientes que interrompem o uso de medicamentos, quando não houve mudança no estilo de vida e na alimentação.

Para que se consiga sucesso é imperioso passar por este processo de aprendizagem, que consiste em orientações nutricionais específicas, onde o indivíduo conhece e aprende novos hábitos alimentares, proporcionando a escolha correta dos alimentos das suas refeições, tanto quantitativo quanto qualitativamente falando.

Reeducação alimentar não é regime, mas a forma de resgatar o verdadeiro sentido da alimentação: nutrir o corpo da maneira mais correta possível. Pode ser aplicada em pessoas que possuem hábitos alimentares inadequados, com caráter preventivo e terapêutico.


Atividade Física

A atividade física de qualidade é aquela orientada por médico ou profissional de educação física. Deve ser preferencialmente individualizada e sempre monitorada.

Segundo muitos profissionais da área 40 minutos diários de caminhada já são de grande auxílio.

Procure escolher o tipo de exercício que melhor combine com seu jeito de ser, com seu estado emocional e também osteo muscular.

A associação de exercício com programas de reeducação alimentar são essenciais em qualquer programa de emagrecimento.


Estabilidade Emocional

Fatores psicológicos são importantes para perder peso e manter o peso estável. A força de vontade que tanto se fala, reside muito no fato de se procurar e assegurar uma estabilidade emocional.

Os seguidos fracassos experimentados por todos nós em tentativas de diferentes dietas, diminuem muito nossa força de vontade. Por isso, muito mais que querer é preciso persistir.

Uma das formas de fazer essa força de vontade prevalecer é valorizar as menores conquistas. Os quilinhos perdidos, os minutos extras de atividade física devem ser festejados como grandes vitórias. Isso reforça muito a auto estima e se converte em ferramenta importante na luta contra o sobrepeso e o sedentarismo.

Obviamente, se fosse fácil, não estaríamos aqui discutindo o assunto. Mas não é impossível, desde que acreditemos em nós mesmos e em nosso potencial. E pense sempre que você não está sozinho. Há sempre alguém como você, e sempre haverá alguém para ajudá-lo.

Fonte:http://www.unimed.com.br

domingo, 10 de julho de 2011

Gorduras como fonte de energia



Gordura é uma fonte concentrada de energia. Enquanto cada grama de gordura contém 9 kcal, um grama de carboidratos contém em torno de 4 kcal. Além disso, nossas reservas de energias provenientes de gordura são muito mais abundantes. Em média um corredor tem mais de 60 mil calorias estocadas na forma de gordura contra menos de 2 mil de carboidratos. Sendo assim, gorduras são essenciais quando se está exercitando por longos períodos de tempo. Exercícios de baixa intensidade utilizam gordura como pelo menos metade da fonte de energia. Isto porque, para usar gordura como energia, é preciso muito mais oxigênio do que o necessário na utilização de carboidratos. Assim, em exercícios de baixa intensidade nos quais há farto oxigênio, gordura é a principal fonte de energia. A utilização de gordura diminui à medida em que a intensidade do exercício aumenta.

Outro fator na utilização de gordura como fonte de energia é a duração da atividade física. Durante exercícios longos (mais de 90 minutos) de intensidade moderada, há um progressivo aumento da proporção de utilização de ácidos graxos em relação aos carboidratos como fonte de energia.

Atletas bem treinados utilizam mais gordura como fonte de energia. Sendo assim, eles economizam as reservas de glicogênio (reserva de carboidratos) conseguindo assim se exercitar por mais tempo.

Quando as pessoas são encorajadas a comerem mais carboidratos e menos gorduras, algumas entendem errado a mensagem. Pensam que podem comer a quantidade de alimentos ricos em carboidratos que desejarem, desde que sejam livres de gordura. Conseqüentemente, elas comem muitos alimentos doces com pouca gordura e super porções de amido. Como resultado, não conseguem perder peso e as taxas de colesterol e principalmente triglicerídeos aumenta.

Trocar a gordura por carboidrato como “combustível” de energia, não vai trazer benefícios nem para a saúde nem para a boa forma.

Mas o principal é a qualidade das gorduras, tem que ser gorduras “boas”. Óleos Extra Virgem, como de Linhaça, Girassol, Canola e Cártamo, são ótimas. Ajudam a dar energia e saciedade. Transportam as vitaminas e ainda ajudam no sabor das saladas, pizzas...

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Mingau de Inverno - Quentinho, Saboroso e Nutritivo











Ingredientes

  • 2 xic de leite
  • 3 colheres de Amaranto em grãos
  • 3 colheres de farelo de aveia
  • canela a gosto
  • 2 colheres de açucar
Modo de fazer

Cozinhar o Amaranto em grãos com um copo de água por 12 min. Escorrer a borra de água que forma em cima. Reserve.
Cozinhar o farelo de aveia com leite e açucar.
Misturar os dois ingredientes. Colocar uma pitada de canela. Servir quente. Durante o dia reaquecer no microondas pequenas porções.


Amaranto, grão que reduz o colesterol


O amaranto, também conhecido como feijão dos Andes, é altamente nutritivo e um excelente redutor dos níveis de colesterol total do sangue. Essa redução acontece devido a sua fração protéica que, ao ser digerida, inibe a enzima responsável pelo acúmulo de colesterol no organismo. Rico também em proteínas e fibras, o amaranto tem rutina, um poderoso antioxidante.

A rutina é um bioflavonóide também conhecida como Vitamina P, Importante para a perfeita absorção e funcionamento da vitamina C no organismo, assim como para aumentar a resistência dos vasos capilares e regular a absorção

O amaranto é ainda fonte de fibras, zinco, fósforo e cálcio biodisponível (pronto para ser assimilado pelo organismo), outro fato incomum nos vegetais. Ele também não contém glúten ou outras substâncias alergênicas em sua composição, o que o torna uma opção para os celíacos – pessoas com intolerância ao glúten.

Farelo de Aveia

O farelo de aveia é a casca que envolve o grão de aveia. É um alimento saudável, natural e rico em fibras solúveis, chamadas ß-glucano. O farelo de aveia é constituído basicamente por fibras solúveis que contribuem para a redução do colesterol ruim LDL (Lipoproteínas de Baixa Densidade). Auxilia no metabolismo de glicose e contribui para a perda de peso, pois tem a capacidade de absorver água e aumentar o próprio volume, o que, por sua vez, aumenta a saciedade e estimula os movimentos peristálticos dos intestinos.