sábado, 28 de maio de 2011

GORDURA DO BEM X GORDURA DO MAL













Desde a tenra infância se escuta notícias assustadoras sobre os malefícios da gordura, mas se viver com gordura pode ser ruim, viver sem ela é péssimo. Péssimo não: inviável.

As gorduras servem de base para a formação de diversos hormônios em nosso corpo, inclusive os hormônios sexuais. Sem a gordura, o organismo não consegue, por exemplo, absorver as vitaminas A, D, E e K, que são lipossolúveis (só se dissolvem na gordura), provocando a carência de vitaminas.

Além disso, possuem outras funções:

  • Abastecem os músculos de energia;
  • Ajudam a manter a elasticidade da pele;
  • Regulam a temperatura corporal, funcionando como um isolante térmico;
  • Intensificam o aroma e dão mais sabor e textura aos alimentos;
  • Proporcionam maior sensação de saciedade;
  • Gorduras como ômega 3 e ômega 6, são essenciais para fortalecer o sistema imunológico;
  • Para constituição do córtex cerebral e para o desenvolvimento funcional da retina.


Os regimes que cortam por completo a ingestão de gordura, substituindo-a por carboidratos (pães, macarrão e batata), estão erradíssimos. Cortar as gorduras até que elas se limitem a 30% do total de calorias ingeridas diariamente (os outros 70% ficando para os carboidratos e proteínas) de fato emagrece e reduz os níveis de colesterol. Abaixo de 18% de gordura, no entanto, os resultados são opostos. Engorda-se e eleva-se o colesterol no sangue. Isso acontece porque o organismo compensa a falta de lipídios transformando mais carboidratos em gordura (na forma de triglicerídios). Esses triglicerídios inflam as células, formando pneus ao redor da barriga e culotes salientes.

Conheça melhor as gorduras:

Gorduras saturadas: são as chamadas "do mal", pois aumentam o nível do colesterol ruim (LDL) no sangue e, como conseqüências, elevam os riscos de problemas cardíacos. As principais fontes são os alimentos de origem animal (carnes gordas, banha de porco, leite e seus derivados), coco, azeite-de-dendê e manteiga de cacau.

Gordura TRANS: mais vilã do que a gordura saturada, a trans não só aumenta a taxa de LDL, como também diminui o HDL. Está na gordura vegetal hidrogenada, presente nos alimentos industrializados, como salgadinhos, pratos congelados, massa folhada, margarina, sorvetes, chocolates, maionese e na irresistível batata frita. Observe os rótulos dos alimentos, se consta o item gordura vegetal ou óleo vegetal hidrogenado, tem gordura trans, evite-os.

Gorduras insaturadas: são as "do bem", pois elevam os níveis de colesterol bom, o HDL, que varre do sangue o LDL. Elas se dividem em monoinsaturadas, encontradas no óleo de canola extra virgem (ômega 9 e ômega 3), azeite de oliva e frutas oleaginosas (caju, amendoim, amêndoa, castanha e avelã) e poliinsaturadas, presentes no óleo linhaça (ômega 3), milho e girassol extra virgem (ômega 6) e nos peixes de água fria, como salmão, sardinha, truta, cavalinha, atum e bacalhau. O ômega 3 reduz os níveis de triglicérides (gorduras que circulam no sangue) e dificulta a formação de cóagulos nas artérias. Já o ômega 6, diminui o colesterol total.

Mas é importante saber diferenciar um óleo de girassol e canola refinado, de um óleo extraído a frio. O termo extraído a frio quer dizer que não foi aplicado calor enquanto os grãos estavam sendo transformados em óleo. São óleos produzidos em temperatura ambiente com maquinário especial que mantém a Bioatividade das moléculas por não serem aquecidas e refinadas. Sendo desta forma 100% naturais e funcionais, isto é, além de saciar a fome, ajudam a prevenir doenças.

O refino comercial dos óleos vegetais começa com sementes que podem conter alto nível de agrotóxicos (pesticidas e herbicidas). As sementes são esmagadas e sujeitas a uma série de tratamentos químicos em temperaturas acima de 270ºC. Esses tratamentos incluem o uso de solventes tóxicos, soda cáustica, preservantes e anti-espumantes, e resultam na destruição dos ácidos graxos essenciais (ômegas), na perda de vitaminas e sais minerais e na formação de ácidos graxos "trans" e radicais livres.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Receitas com Óleo de Cártamo



Ratatouille de forno regado a óleo de cártamo






Ingredientes
1 berinjela
1 abobrinha amarela
1 pimentão vermelho
1 cebola
2 dentes de alho
4 tomates maduros
4 colheres (sopa) de óleo de cártamo
1 colher (café) de mel
Suco de 1 limão
Ervas aromáticas frescas (tomilho, orégano, salsa, manjerona)
Sal e queijo ralado a gosto

Preparo
Corte a berinjela, a abobrinha e o pimentão vermelho em rodelas pequenas. Polvilhe-os com sal e reserve. Regue a berinjela com suco de limão para evitar o seu escurecimento. Em seguida, prepare o restante dos vegetais: corte a cebola em meias-luas e lamine os alhos. Pique os tomates. Faça um refogado utilizando duas colheres (sopa) do óleo de cártamo, a cebola e o alho. Quando a cebola começar a dourar, junte o tomate, adicione as ervas, despeje um pouco de água e deixe refogar. Quando o refogado estiver pronto, coloque em um copo e triture. Junte o mel e volte a triturar. Deite a mistura em um tabuleiro de forno previamente untado. A mistura servirá de cama aos legumes. Monte o prato alternando as fatias dos legumes. Termine com um fio de óleo de cártamo sobre cada fileira de legumes. Leve ao fogo médio durante 60 minutos. Quando faltarem 10 minutos para retirar do forno, polvilhe o ratatouille com queijo ralado e deixe derreter.

Rendimento
6 a 7 porções

Bolo-torta de banana

Ingredientes
4 bananas
3 ovos
¾ de xícara (chá) de óleo de cártamo
1 colher (sopa) de
fermento biológico
1 e ½ xícara (chá) de
açúcar demerara
Sementes de linhaça ou gergelim
a gosto

Preparo
Junte os ingredientes, menos as sementes de linhaçã ou gergelim, e bata no liquidificador – acrescente o fermento por último. Despeje em uma forma retangular média untada e polvilhe com linhaça ou gergelim. Asse em forno a 180º C por cerca de 40 minutos. Sirva.

Rendimento
10 a 12 porções

Salada colorida com óleo de cártamo

Ingredientes
1 couve-flor
1 cenoura ralada
½ beterraba
4 tomates cereja
Suco de 1 limão
2 colheres (sopa) de óleo de cártamo
Agrião cortado, nozes, salsinha picada e sal a gosto

Preparo
Lave bem todos os vegetais e coloque-os em uma tigela funda. Tempere com o molho feito a partir da mistura do sal, salsinha, suco de limão e óleo de cártamo. Se preferir, deixe a salada por 15 minutos na geladeira para que o molho penetre mais. Retire da geladeira, salpique as nozes e está pronto para servir.

Rendimento
2 porções

Da Revista Vida Natural

Fonte das receitas: Franciele Lenz, nutricionista da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP)